A eventual necessidade de rigidez no controle do uso de equipamentos de segurança tem relação direta com a motivação de equipes. Quando os trabalhadores estão motivados, eles tendem a dar maior atenção à questão e vice-versa. Ou seja, trata-se daqueles tipos de fatores com influência mutua.

Contudo, qualquer um que tenha experiência na área de segurança do trabalho sabe da dificuldade em garantir que todos se protejam adequadamente. É por isso que a motivação é tão importante, pois quanto mais os funcionários se preocuparem com a própria proteção, mais fácil será fiscalizar os casos problemáticos — já que serão em menor número — e garantir um padrão aceitável.

Obviamente, a teoria é sempre mais fácil do que a prática. Por isso, vamos logo nos dedicar a entender todos os aspectos que interferem na motivação de equipes e o que podemos fazer de prático a respeito. Esse é o objetivo deste post. Acompanhe!

A importância de trabalhar a motivação dos funcionários

Para começar, vamos abordar a importância da motivação de um ponto de vista geral. Nos próximos tópicos, abordaremos mais especificamente sobre como motivar em relação aos cuidados com a segurança e a saúde.

Pois bem, é difícil imaginar alguém que goste de trabalhar e conviver com um colega desmotivado. Ele enxerga mais problemas do que qualquer outro, está sempre precisando de ajuda, dificilmente colabora e tem baixa produtividade. Na melhor das hipóteses, ele opera no modo “cumpridor de tarefas”, prejudicando, inclusive, os custos da empresa.

O que é motivação

O motivado é aquele que possui um motivo para ação. Obviamente, estamos falando de um propósito pessoal, do contrário, poderíamos dizer que alguém que recebeu uma ordem possui motivação, já que foi designado a realizar alguma atividade. Mais do que isso, a motivação é resultado de um desejo maior. Então, se a pessoa deseja realizar-se profissionalmente ou alcançar conquistas pessoais, ela estará motivada a buscar metas organizacionais que a ajudem nos seus objetivos.

A motivação e a produtividade

Profissionais motivados produzem mais e melhor, pois a energia que impulsiona a ação ajuda na proatividade, otimismo, engajamento, criatividade e até na capacidade analítica. Como são mais interessados, acabam se dedicando mais às capacitações, o que os torna mais qualificados e conscientes em relação ao trabalho (inclusive no que está relacionado à segurança).

A liderança e a motivação

O papel da liderança na motivação é indiscutível. Um bom líder é capaz de enxergar as pessoas com empatia e agir de acordo com a necessidade de cada uma. Assim, tem mais facilidade em engajar a equipe no propósito da empresa. Consequentemente, a união e sinergia que esse envolvimento produz acabam por influenciar a motivação de forma substancial.

Se as palestras motivacionais dão uma injeção imediata e provisória de motivação, a liderança a alimenta continuamente, produzindo um processo que favorece o aumento gradativo do envolvimento de cada colaborador com o negócio. Uma equipe direcionada dessa maneira produz um clima imune às interferências e desvios. Nesse caso, profissionais desmotivados ou se excluem da equipe, ou são cativados por ela, absorvendo a motivação.

Os elementos motivacionais

Alguns elementos são fundamentais para estimular a motivação. Em linhas gerais, eles são todas as ações e procedimentos necessários para garantir um ambiente favorável e estimulante, o qual forneça meios (ou canais) para que a equipe se manifeste e crie as condições ideais de trabalho.

Valorização da equipe

Reconhecer talentos e valorizar o desempenho, a produtividade e a assertividade dos colaboradores é um ponto elementar para garantir a motivação. Os planos de desenvolvimento individuais e uma boa e justa política de avaliação de desempenho por parte do técnico ajudam a deixar as coisas claras.

A maioria das divergências em relação a esse ponto não ocorre propriamente por injustiças, mas por incompreensão sobre o que é esperado de cada funcionário e os critérios que cada líder usou para promover ou compensar colaboradores. É sempre bom alinhar as expectativas entre líderes e liderados de modo que as divergências sejam as menores possíveis.

Qualificação

Os funcionários se sentem valorizados quando a empresa investe neles. Além disso, quando adquirem conhecimento para realizar suas tarefas com mais eficiência, sentem-se realizados e com maior autoestima. Todos esses aspectos favorecem a motivação. Se a qualificação for estimulada ou assumida pela empresa e, além disso, for baseada nas necessidades individuais de aprendizado, tende a um efeito muito superior e mais efetivo. O impacto dessa atenção especial na motivação é inestimável.

Oportunidades

Não há nada que mais esfrie a motivação do que estar em um trabalho com pouca ou nenhuma perspectiva. Muitas vezes, mais do que estar contentes com a situação atual, os profissionais esperam poder melhorar de padrão no médio, longo e, preferencialmente, curto prazo. Essa é uma preocupação especialmente relevante para as novas gerações. Os mais jovens têm pressa em conquistar seus objetivos de vida.

Desafios

Não adianta oferecer oportunidades sem lançar desafios. Além de ser um estímulo em si mesma, a busca por conquistar desafios é uma atividade motivadora, principalmente para os mais competitivos. Desafios são manifestações explicitas de objetivos e metas capazes de impulsionar a equipe na direção certa.

Coerência

É muito comum, principalmente em grandes organizações, que o discurso não corresponda exatamente à prática. Algumas empresas estimulam e ensinam um determinado comportamento, mas acabam remunerando melhor ou estabelecendo políticas e processos que desfavorecem a atitude que pregam. Estamos falando do popular “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”. Obviamente, isso não funciona nada bem. Manter a coerência é muito importante para a motivação da equipe!

Desempenho geral

O resultado é outro fator que influencia a motivação. Se a empresa vai bem; se está saudável financeiramente, honrando seus compromissos (principalmente com a equipe); se possui um bom posicionamento em relação à concorrência, ou, no mínimo, demonstra força, competência e estrutura mínima para enfrentar o mercado, a equipe toda tende a se sentir mais entusiasmada, engajada e confiante.

Poucas pessoas possuem energia para manter a motivação em períodos difíceis. Quando isso ocorre, é importante recorrer aos membros da equipe que, por natureza, são motivados ou tenham mais facilidade de enfrentar dificuldades. Eles podem ajudar a envolver os outros membros do time.

Como motivar sobre segurança do trabalho

Como vimos, motivar é uma atividade de liderança que, portanto, lida com pessoas. Por isso, se pretendemos estimular alguém a realizar uma ação, é preciso entender dois pontos principais: os fatores que as estimulam e os que as bloqueiam.

Vamos fazer uma analogia. Imagine alguém preso em um local isolado: uma ilha. Ele tem o que precisa para sobreviver, principalmente algumas frutas e, eventualmente, peixes e frutos do mar. No horizonte, ele pode ver uma cidade com intensa vida social, opções gastronômicas e condições de trabalho bastante satisfatórias.

Ele até gostaria de ir para a cidade, mas não tem recursos para atravessar o mar, que está cheio de crocodilos. Ou seja, embora haja um estímulo para deixar a ilha, não existe um barco para que ele decida agir, dado o risco que isso representa.

De outro lado, se os crocodilos começarem a invadir a ilha, é muito provável que ele se interesse em buscar alternativas. Essa é uma analogia para evidenciar mais claramente que as pessoas agem e mudam para evitar algo negativo ou para aproveitar algo de positivo. É por isso que motivar começa por entender o que impulsiona e bloqueia as pessoas a assumirem um determinado comportamento.

No caso dos equipamentos de proteção individual, os EPIs, podemos citar alguns fatores que desestimulam os trabalhadores a utilizá-los:

Falta de informação sobre o risco

Obviamente, se os envolvidos nas várias atividades operacionais não estão devidamente informados sobre os riscos que cada uma delas apresenta, não podem desenvolver a consciência sobre a utilização de EPIs. Apesar de elementar, ainda é muito comum encontrar esse problema nas empresas. A dificuldade de comunicação, a rotatividade de pessoal e, quando é o caso, a baixa qualificação técnica são alguns dos fatores que contribuem para o problema.

Liberdade de movimentos

Os equipamentos de proteção têm evoluído bastante e a busca por conforto e funcionalidade são algumas das preocupações levadas em conta na busca de aprimoramento. Contudo, mesmo quando se tratam de equipamentos modernos, alguns colaboradores resistem em utilizá-los por acreditarem que eles limitam movimentos e tornam o trabalho mais difícil.

Simples hábito

Muitas vezes os equipamentos não são utilizados por simples falta de costume. Quando não há um trabalho de conscientização e uma equipe dedicada a construir o habito, é natural que os colaboradores esqueçam o uso.

Responsabilidade legal

Muitos profissionais não sabem da responsabilidade legal envolvida na utilização dos equipamentos. Colocando-se em risco, ele está gerando um problema para a empresa, que tem responsabilidade por sua integridade na empresa, inclusive durante o trajeto para chegar até o local de trabalho.

Ações que ajudam a motivar

Algumas ações são particularmente efetivas para motivar o uso de EPI’s. A intenção não é esgotar todas as possibilidades, mas provocá-lo a buscar alternativas que funcionem no seu caso. Por isso, leia nossas sugestões pensando como elas funcionariam no seu negócio. Confira:

Use colaboradores conscientes como exemplo

Você pode solicitar aos profissionais que utilizam e dão importância para o uso de equipamentos de segurança para que deem seus depoimentos. Peça para que informem como era o trabalho antes de usar os EPIs, o que pensavam a respeito, o que os fez mudar de idéia e divulgue essas informações.

Comemore as conquistas

Divulgue, premie e promova eventos de confraternização para comemorar recordes de tempo sem acidentes, aumento do uso entre os colaboradores e outras conquistas da empresa e das equipes. As pessoas se sentem estimuladas quando observam resultados práticos e reais. Dá esperança e positividade a equipe.

Escolha os equipamentos certos

Se você oferece equipamentos de qualidade, certificados, confortáveis e que não atrapalhem os movimentos, estará estimulando o uso. Quem trabalha na área normalmente percebe a importância desses aspectos. Contudo, nem sempre levantam o nível de satisfação da equipe.

Fazer uma pesquisa entre os usuários para verificar a avaliação deles nesse sentido ajuda a se adequar a expectativa que eles possuem. Quando a percepção deles é irreal ou equivocada, você pode administrar a questão transmitindo informação e destacando o engano — no caso de preferirem equipamentos mais confortáveis, mas que comprometam a segurança, por exemplo.

Atualize os equipamentos

Equipamentos fora da validade de uso ou a indisponibilidade deles em número suficiente não são um problema apenas porque impedem a utilização momentânea, mas por influenciar no hábito de uso. Pode passar a idéia de que não existe problema com o abandono temporário de utilização, mas é justamente quando os acidentes acontecem — essa é a mensagem que precisa ser entregue. Por isso, organize-se para garantir a entrega periódica dos equipamentos certos, na hora necessária e dentro do prazo de validade.

Fiscalize

A utilização dos equipamentos também é uma forma de proteger a empresa. Afinal, ela pode ser responsabilizada por acidentes e multada por não oferecer as condições de trabalho ideais. Por isso, estabeleça regras de utilização e advertências pela falta do seu cumprimento. Lembre-se da estória do morador da ilha e vizinho dos crocodilos: mudamos os hábitos quando o risco é alto.

Promova a cultura da utilização

Estabeleça canais de comunicação interna e divulgue as realizações, normas, histórias e o conhecimento sobre segurança. Você pode utilizar os meios tradicionais como jornais informativos, murais e correspondência, mas também pode preferir desenvolver um blog sobre o tema, por exemplo. Seja como for, um canal direto e específico sobre o tema é uma ótima medida para estimular a reflexão dos colaboradores a respeito do tema segurança e saúde. Falando nela, dedicamos um tópico exclusivo sobre o assunto.

Como motivar sobre saúde no ambiente de trabalho

Motivação e saúde são pontos que se relacionam diretamente. A maioria dos males causados no ambiente de trabalho é relacionada ao estresse, a falta de cuidado com a postura e execução de atividades repetitivas.

Da mesma forma que há atividades de maior periculosidade, também existem as mais ou menos prejudiciais a saúde. A alta exigência da capacidade analítica em atividades estratégicas, ou aquelas feitas isoladas, com muita repetição ou com mudanças muito intensas, o estresse da responsabilidade sobre algumas decisões, são exemplos de fatores que influenciam na saúde mental dos colaboradores.

Os dispositivos portáteis como tablets, notebooks e celulares são outros fatores. Ao mesmo tempo em que são práticos, o uso desses equipamentos pode causar problemas posturais. Por exigirem muita concentração, geram tensão muscular e sobrecarga em alguns membros, prejudicando a saúde.

O medo de perder o emprego, problemas de adaptação, crises econômicas e outras dificuldades também influenciam a saúde mental. Ou seja, a pressão causa alguns males. Ainda que esteja relacionada à competição (que em um nível aceitável pode ser saudável), dependendo da intensidade, ela pode prejudicar a saúde e a motivação.

O primeiro impacto dos distúrbios mentais, mesmo os mais leves, é na produção de hormônios, proteínas e outras substâncias naturais que contribuem para disposição, energia e até a sensação de alegria. Com a diminuição desses componentes, qualquer programa motivacional, por mais brilhante que seja, dificilmente produzirá algum efeito significativo. Por isso, você precisa pensar em ações preventivas e corretivas, pois o problema é bem mais difícil de ser resolvido depois de instalado.

Cuidados com os colaboradores

Você precisa cuidar da saúde dos colaboradores antes mesmo de motivá-los. Além disso, o cuidado com eles já é em si um fator de motivação. Contudo, para resultados práticos, o ideal é que se concentre em monitorar a saúde deles, protegê-los dos riscos laborais e promover atividades que contribuam para a qualidade de vida (como ginástica laboral, esportes, atividades culturais e artísticas, além de atenção psicológica).

Em um artigo publicado no site do Hospital Sírio-Libanês, o médico do trabalho e gerente de saúde do colaborador da instituição, Dr. Paulo Roberto Leal, destaca as atitudes que devem ser estimuladas para uma vida saudável, dentro e fora do trabalho. São elas:

  • alimentação saudável;
  • prática regular de atividade física (inclusive no ambiente de trabalho);
  • bons relacionamentos;
  • tempo proveitoso com a família e amigos;
  • exames médicos periódicos do trabalho;
  • consultas clinicas preventivas.

Acompanhamento do estado dos colaboradores

Obviamente, o acompanhamento periódico do nível de saúde dos colaboradores é essencial para o cuidado com a questão. Além do acompanhamento clínico e dos exames solicitados e analisados por um médico do trabalho competente, um indicador indireto do nível de estresse e saúde da equipe é a quantidade de faltas no mês.

Não que seja uma métrica definitiva. Durante algum tempo, você pode manter uma baixa quantidade de faltas mesmo com um alto nível de estresse, mas a diminuição da frequência de comparecimento é, sem dúvida, uma boa pista de que algo está errado.

A saúde e a motivação

Depois do que já vimos, fica fácil perceber o quanto a saúde dos colaboradores é importante para a motivação. Seja no que se refere às influencias químicas e biológicas produzidas por um cérebro estressado, seja quando a preocupação com a saúde demonstra dedicação ao colaborador, o que tem influencia positivamente.

Por isso, nesse tópico, o importante é lembrar e relacionar o que pode ser feito em relação à saúde dos colaboradores. Não é necessário nem aconselhável trabalhar apenas para cumprir com as exigências legais. Portanto, vale lembrar alguns cuidados elementares com a saúde dos colaboradores:

  • ofereça uma estação de trabalho adequada: além dos móveis, dê atenção aos equipamentos e como estão sendo utilizados;
  • garanta uma boa iluminação: evite o excesso e a falta de luminosidade;
  • valorize a organização: bagunça pode ser um fator de estresse, principalmente quando as pessoas precisam dedicar grande parte do seu dia procurando algo;
  • repense o ambiente: a maioria das empresas foca a definição do layout do ambiente no seu aspecto funcional, pensá-lo em termos de bem-estar também é importante.

3 dicas finais para a motivação de equipes

Vamos encerrar essa postagem com 3 dicas de aplicação prática para você dar uma “injeção de motivação” na sua equipe. Dessa forma, você conseguirá um resultado de efeito imediato enquanto prepara as ações de médio e longo prazo.

Considere que esse tipo de política é muito eficiente, uma vez que a espera por um resultado que pode demorar acaba tendo impacto negativo na motivação. Como já mencionamos, quando as pessoas percebem os resultados, elas se sentem mais inclinadas a se dedicarem a um objetivo. Então, vamos às dicas:

1. Elabore uma campanha de recompensas

As pessoas se sentem mais estimuladas com um ganho adicional. Obviamente, você pode determinar uma política permanente de premiação. Mas, enquanto decide a respeito disso, você pode pensar em uma campanha temporária, algo como uma maratona da segurança e da saúde, por exemplo.

Além de uma premiação coletiva de acordo com a quantidade de dias sem acidentes de trabalho, você pode desenvolver atividades periódicas voltadas para a saúde e segurança. A promoção de atividades físicas dentro da empresa e outras intervenções que incentivem hábitos saudáveis também são uma excelente alternativa de incentivo.

2. Ofereça palestras e cursos

Independentemente de decidir pela campanha de recompensas, você pode incentivar a participação em cursos e palestras sobre o tema ou, até mesmo, contratar essas atividades de forma exclusiva — para serem realizadas dentro ou fora da empresa.

Para esse fim, consultores e empresas especializadas oferecem uma ampla variedade de cursos e palestras, inclusive com conteúdo motivacional.

3. Observe e trabalhe a cultura da equipe

É comum que alguns colaboradores zombem dos colegas que se dispõem a utilizar os equipamentos de segurança de forma mais criteriosa. Aliás, esse é um aspecto importante a ser considerado quando, alguns tópicos atrás, sugerimos que esses profissionais sejam usados como exemplo.

O efeito de demonstrar o resultado que eles conseguem pode ajudar a minimizar esse tipo de brincadeira. Não adianta promover segurança à custa do assédio de algum colaborador. Afinal, esse é um aspecto que envolve a saúde psicológica que também precisa de atenção.

É por isso que é tão importante se preocupar desde o primeiro momento com a zombaria. Observe, procure entender os motivos e tratar a situação com bom humor. Ainda que seja um assunto delicado, criar polêmica pode aumentar a tensão do problema. O grande argumento para acabar com isso é o de que não faz sentido brincar com a saúde e a vida.

Para concluir nosso texto sobre motivação de equipes, vale destacar que não existem maiores motivos para agir do que a segurança e a saúde. Esses aspectos já são uma motivação em si. Use isso a seu favor! O nível motivacional é diretamente proporcional ao quanto conseguimos evidenciar benefícios e sensações causadas por práticas melhores.

Antes que se vá, você já assinou nossa newsletter? Se ainda não, faça-o agora mesmo! Assim, não perderá nenhuma novidade sobre motivação de equipes e outros temas do seu interesse!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *