Para proporcionar aos funcionários saúde e bem-estar, a aplicação de normas e padrões de segurança no trabalho é essencial. De forma geral, não há dúvidas da importância disso para todos. No entanto, esse tema é muito mais abrangente. Na realidade, ele também impacta o negócio em diversos aspectos, especialmente na relação que há entre o colaborador e a produtividade.

Sem dúvidas, a produtividade de uma empresa depende da sua força de produção. Isso significa que quanto mais saudável e preparado estiver o colaborador, maior será sua produção e, consequentemente, a produtividade no ambiente de trabalho. Continue a leitura e veja como aumentar a produtividade e diminuir acidentes!

Realize diagnósticos de riscos

Para proporcionar ao trabalhador um ambiente seguro e, principalmente, para diminuir acidentes, é preciso conhecer quais são os riscos aos quais ele está exposto em seu dia a dia. De acordo com a NR 17 (Norma Regulamentadora 17), que trata da ergonomia do trabalho, é responsabilidade do empregador realizar a Análise Ergonômica do Trabalho (AET).

Com ela é feita a avaliação dos riscos ergonômicos que existem na empresa. Depois de indicar os possíveis problemas, é necessário propor soluções que sejam capazes de diminuir ou até mesmo extinguir o perigo existente. Nesse caso, o principal objetivo é melhorar a realização das tarefas laborais e também proporcionar ao trabalhador um ambiente com condições adequadas. Com o ambiente propício e as condições propostas, os colaboradores se sentem muito mais seguros e à vontade para trabalhar, o que aumenta positivamente o rendimento de cada um.

Invista em um planejamento estratégico de prevenção

A partir da Análise Ergonômica do Trabalho, é possível criar um planejamento estratégico de prevenção de acidentes. Para isso, é preciso envolver os seguintes pontos:

  • organização do trabalho;
  • condições ambientais;
  • equipamentos do posto de trabalho;
  • mobiliários;
  • transporte e descarga individual de materiais.

Em seguida, deve-se fazer o laudo de avaliação ergonômica ou laudo ergonômico. Normalmente o termo laudo ergônomico é utilizado quando solicitado por intermédio da Justiça sendo que o laudo de avaliação ergonômica ou Análise Ergonômica do Trabalho são os termos comumente utilizados para este documento. Este tipo de documento técnico, segundo descrito na Resolução do CONFEA nº 437/99 em seu Artigo 4º , Item IV, deve ser feito por engenheiro de segurança do trabalho. Isso porque, além de identificar, o programa será preciso monitorar e também solucionar as situações que podem comprometer a qualidade de vida no ambiente de trabalho portanto todas essas informações colhidas  são consolidadas na AET juntamente com as soluções e limites ergonômicos estabelecidos na NR 17. Nesse momento, atente-se ao fato de que o principal objetivo do programa é priorizar a estabilidade dos sistemas humano e técnico, que, consequentemente, vão aumentar a produtividade e a qualidade de vida dos colaboradores. Assim que o programa estiver bem definido, é importante que sejam implantadas formas de autoavaliação.

A Análise Preliminar de Risco (APR) é uma ferramenta muito útil neste caso pois visa prevenir acidentes a partir da antecipação dos riscos. Assim, é necessário identificar os riscos envolvidos em cada tarefa executada pelo colaborador e também pelo supervisor da atividade. Com a orientação correta, o trabalhador continuará a conviver com os riscos, porém de forma mais segura.

O planejamento preventivo precisa ser feito com engenheiros e médicos de segurança do trabalho juntamente com os demais profissionais de segurança do trabalho da empresa, a fim de que sejam desenvolvidos programas de riscos ambientais, programas voltados à saúde ocupacional, laudos ambientais, treinamentos e acompanhamentos periódicos de maior qualidade.

Forneça equipamentos de proteção individual

Os equipamentos de proteção individual (EPIs) são de suma importância a fim de manter os profissionais protegidos individualmente. Essa medida reduz qualquer tipo de ameaça ou risco para o trabalhador. Vale destacar que o uso desses equipamentos de proteção é estabelecido pela norma técnica chamada NR 6, que determina que os equipamentos sejam fornecidos de forma gratuita ao colaborador, garantindo o desempenho das funções realizadas dentro da empresa.

Portanto, é obrigação dos responsáveis pela segurança do trabalho da organização garantir que todos os trabalhadores façam o uso adequado dos equipamentos. Eles devem ser usados durante toda a atividade cujos riscos foram previamente determinados e seus respectivos EPIs adequados, seguindo também as determinações da própria companhia.

O uso adequado e responsável do EPI evita tanto os transtornos ao funcionário quanto para a empresa. Além de tudo, ele garante que todas as atividades sejam realizadas com mais segurança e, consequentemente, com mais eficiência. Esses equipamentos devem ser mantidos em boas condições e necessitam ter o Certificado de Aprovação do órgão competente. O mais importante é garantir que empregados e empregadores compreendam a importância do uso do equipamento de proteção no dia a dia.

Cuide da ergonomia dos colaboradores

A análise e a intervenção ergonômica são previstas pela NR 7. Além delas, o Ministério do Trabalho também fiscaliza o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria de Construção Civil (PCMAT) e o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO).

No entanto, além dos aspectos legais, é importante compreender os benefícios que são gerados para a empresa no dia a dia. A promoção da ergonomia no trabalho proporciona maiores lucros e menores prejuízos sociais e econômicos. Isso acontece simplesmente porque a criação de um ambiente confortável e seguro para os colaboradores também tende a aumentar a produtividade e diminuir diversas formas de acidentes. Ao realizar a EAT, deve-se instituir medidas ergonômicas e tomar as seguintes providências:

  • adaptação do mobiliário;
  • fornecimento de equipamentos que colaborem para a boa postura do funcionário;
  • incentivo aos intervalos para praticar alongamentos;
  • realização de atividades que incentivem a boa postura.

Conscientize e eduque os colaboradores

A análise de risco, o planejamento estratégico, o fornecimento de EPI e o cuidado da ergonomia são passos importantes para aumentar a produtividade e diminuir acidentes. No entanto, sem a conscientização dos colaboradores, os resultados podem não ser tão eficazes.

Programas de conscientização e educação do funcionário são primordiais para a redução dos acidentes de trabalho. Por meio de palestras, cursos, cartazes, alertas de segurança e frases educativas, a empresa consegue ensinar à equipe quais são os riscos relacionados ao ambiente de trabalho aos quais ela está exposta.

Nesse momento, é preciso entender que não há como ter prevenção do que é desconhecido. Tenha em mente que esse e outros métodos propiciam condições adequadas para programas que valorizam a segurança no trabalho. No começo, pode ser difícil eliminar os riscos dos acidentes, mas com conscientização e educação é possível ter grandes aliadas da prevenção.

Para aumentar a produtividade e diminuir acidentes na empresa, é essencial investir na prevenção de acidentes de trabalho. Afinal, um funcionário que se sente seguro e confortável realizando suas tarefas no dia a dia tende a se empenhar muito mais e, assim, a empresa e o colaborador saem ganhando.

Gostou das informações? Então, compartilhe este post em suas redes sociais para que seus amigos também leiam!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *